Nidus

É só para o mês que vem, depois eu faço…

É só para o mês que vem, depois eu faço…

Quantas vezes empurramos com a barriga aquele projeto, aquela tarefa, aquela decisão importante ou aquela conversa difícil? A gente até sabe que tem que fazer, que é importante, mas não consegue dar seguimento porque sempre aparece alguma coisa urgente, o tempo não ajuda, e aí decidimos que é melhor esperar para depois! Dizem que o eu do futuro é sempre mais capaz do que o eu do presente e isso é muito perigoso ao criar a ilusão de que logo seremos capazes, depois terei mais tempo e isso é um grande equívoco, pois como dizem, a procrastinação é o ladrão que permite que os meus sonhos sejam realizados por outra pessoa.

Na vida fomos treinados por anos de evolução a buscar o menor esforço, nosso cérebro não gosta muito de sofrimento e, por isso, tende a nos lançar na chamada zona de conforto. Essa zona de conforto faz com que tudo o que exija mais empenho e que dê mais trabalho seja visto como algo “não tão agradável” e a nossa forma de resolver é deixando para depois. Muito já se discutiu sobre a tal da “procrastinação”, que é justamente essa prática prejudicial que temos (ou que muitos têm) de retardar a execução de algo. Funciona mais ou menos assim: a gente tem aquele relatório importante para entregar, mas é só para o fim do mês, então falamos para nós mesmos que vamos encontrar os dados e, assim que eles estiverem disponíveis vamos colocá-los em ordem e, por fim, descrever no corpo do relatório, tudo isso pode ser feito em uma tarde. Bom, amanhã eu vou atrás dos dados, porque hoje eu tenho que ir comprar os tênis que vi na promoção e a noite tem a estréia da nova temporada da série favorita. No dia seguinte surge um convite para uma festa, no outro a gente está cansado e no outro tem aquele jogo imperdível! Quando a gente percebe, está na véspera da entrega, sem os dados, tendo que começar do zero e entregar no dia seguinte! E o pior, a gente consegue!

Esse aparente “sucesso” leva muita gente a não dar importância a tal da procrastinação, contudo isso faz com que sejamos menos produtivos e menos eficazes, pois aproveitamos mal o tempo e desperdiçamos nosso talento em coisas banais. Se soubermos administrar e procrastinar menos, poderemos produzir muito mais, com menos esforço e ainda sobrará tempo para aquilo que nos satisfaz. É importante deixar claro que fazer as coisas na hora nem sempre é a melhor saída, especialmente quando alguém tem muito o que fazer, nesse caso é preciso priorizar e organizar tarefas de forma que se possa retardar aquilo que é menos importante e ao fazermos isso não estamos propriamente no ato de procrastinar, nesse caso o nome é priorizar.

Se alguém deseja parar de procrastinar, existem algumas dicas importantes que podem ajudar nessa difícil missão, pois quem é procrastinador se comporta como se fosse uma espécie de dependente, e assim precisa de muito esforço e acompanhamento.

O primeiro passo é saber o que nos leva a procrastinar, pois como em tudo, saber a causa do problema é meio caminho andado para achar a solução. Em um momento em que passamos o dia todo conectados, as redes sociais têm sido um dos grandes fatores de procrastinação, em especial as de mensagens instantâneas com suas barulhentas notificações. Mas não é só isso, dependendo da pessoa, os motivos podem ser variados e, nesse caso, cada um terá que compreender o que faz com que deixe de agir sobre o que é preciso, o que causa distração e desperdício de tempo. Atenção para causas psicológicas, como baixa autoestima, preguiça, insegurança, timidez e tantas outras que podem provocar uma espécie de autossabotagem e levar a pessoa a encontrar dificuldades em iniciar e continuar uma tarefa;

Também é importante saber a hora de dividir a carga, pois pessoas que tem muito o que fazer ou que tem muitas responsabilidades, precisam formar uma boa equipe e confiar em seus integrantes para poder dividir, ou delegar, tarefas a fim de evitar uma sobrecarga que, possivelmente, ativaria os mecanismos de defesa psicológicos que levam a procrastinação. Isso é importante porque temos uma tendência a priorizar atividades que nos dão satisfação imediata em detrimento daquelas desagradáveis ou trabalhosas. Estas podem ser divididas em tarefas menores e delegadas à equipe fazendo com que possamos nos concentrar naquilo que é mais importante e prazeroso.

Uma técnica que ajuda muito é saber priorizar as tarefas e organizá-las de forma a definir o que é mais importante e que exige mais atenção, dessa forma é possível distribuir as tarefas no tempo e os resultados acabam por ser alcançados a cada etapa, o que pode gerar um sentimento de “missão cumprida”. Uma dica é fazer uso da tecnologia, existem aplicativos que auxiliam nessa tarefa de organizar o tempo, porém, pode até ser a velha agenda de papel, o importante é planejar, seguir e conferir. O estímulo visual ajuda na fixação e a marcação do check ao concluir cada uma delas é um incentivo a mais para manter-se firme.

É preciso ainda agir com determinação e ter consciência de que aquilo que se quer ou precisa ser feito é possível, e sendo possível será feito, afinal grande parte de nossas realizações são alcançadas com muito esforço e determinação, não se pode contar com o acaso para concretizar grandes realizações, pois ninguém ganha nada ficando parado, o mundo está em transformação e isso às vezes pode assustar, mas a crença de que é possível é um grande passo para mudar de atitude.

Não se pode esquecer de pedir ajuda a alguém que faça a cobrança de resultados, como fazemos com um personal trainer ou com um nutricionista, pessoas a quem se tenha que prestar conta e que lembre do compromisso e dos nossos objetivos a cada etapa e a cada sucesso. Somos suscetíveis a elogios e críticas, por isso quando temos alguém nos apoiando, parece ser mais fácil, pois às vezes, nós temos um poder muito grande de autossabetagem e isso nos leva a buscar satisfação imediata e, por consequência, a procrastinação.

Procrastinar não é propriamente um defeito, é uma característica que pode causar diversos sentimentos negativos, especialmente a frustração, mas tem gente que convive muito bem com isso. Ela se torna preocupante quando atrapalha o desempenho ou diminui a autoestima e, nesse caso, prejudica cada vez mais o desempenho. O ideal é vencer a procrastinação por uma questão de produtividade, pois ao nos organizarmos, temos um maior tempo livre e de qualidade e assim, provavelmente seremos mais felizes.

Tenha uma atitude positiva e não se deixe abater, planeje, programe-se e mantenha o foco, dessa forma será possível aproveitar melhor o tempo e ser mais produtivo e feliz.

Jailson Aurelio Franzen

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *